segunda-feira, 16 de março de 2015

5 contra 1: IZombie e outros Zumbis da DC Comics


Olá pessoal, tudo bem? Voltamos com mais um '5 contra 1' e por um motivo muito especial: a DC Comics vai estar lançando nesta semana a sua mais nova série de TV, baseada na HQ da Vertigo criado por Chris Roberson e Michael Allred, e vamos mostrar aqui outros zumbis que povoam as páginas da editora, e provavelmente os seus pesadelos, que moram nestas leituras mais do que recomendadas.

5) IZombie

Claro que esta lista iria começar falando do grande homenageado da noite. A combinação de Mike Allred e Chris Roberson trazem uma história que relembra uma versão o Scooby Doo clássico, para um publico mais adulto. Contendo uma rica mitologia e questionando os papéis das mesmas em nossa sociedade, IZombie não deixa de pegar pesado no horror e no gore ao mesmo tempo que sabe rir de si mesmo e se divertir muito no processo todo ao explorar este mundo sobrenatural no ponto de vista da recém-zumbi Gwen. Apesar da série não pegar muito desta mitologia (e a justificativa deles é bem justa se analisar), tudo que foi mostrado justifica que adaptação vai fincar os seus dois pés no tom da HQ, o que é sempre bom de se ver.


4) Blackest Night

O grande blockbuster da DC Comics em 2010, o gênio Geoff Johns conseguiu pegar a grande tendência da época e colocá-lá num contexto que torna essa história clássica não só pelo nível de violência, mas exatamente forçar os heróis e vilões da DC Comics a encarem seus piores pesadelos para se tornarem alguém melhor como pessoas, ou pelo menos tentar. Além disso, a saga foi responsável por expandir e solidificar as bases do já extensa evolução que os Lanternas Verdes e as outras Tropas que haviam sido criadas. Leitura clássica moderna e mais do que recomendada em qualquer situação, em destaque especial a não-tão-falada-porém-espetacular fase de Peter J. Tomasi a frente de 'Green Lantern Corps'.


3) Star-Spangled War Stories: GI Zombie

Nos "Novos 52', há sempre aquelas revistas que por melhores ideias e que elas sejam, infelizmente eles não vendem e são fadadas ao cancelamento. GI Zombie é uma delas, escrita por 2 dos meus escritores favoritos, Justin Gray e Jimmy Palmiotti. Palmiotti e Gray trazem de volta um antigo selo de histórias de Guerra da DC e inserem o elemento zumbi para nos apresentar os monstros como os soldados perfeitos, ao mesmo tempo que vemos mais sobre o 'GI Zombie' do título, o morto-vivo Jared Kabe, a partir dos personagens coadjuvantes e das revelações que vêem a cada edição para tentar responder a grande pergunta: o que motiva a um soldado defender seu país e as pessoas que ama, mesmo depois de morto? Ah, e um detalhe: GI Zombie se passa dentro do Universo DC normal.


2) Victorian Undead

Ah, a saudosa Wildstorm não era só a casa das equipes dos anos 90 como  Gen 13 e WildCATS, mas nos últimos anos de sua existência tinha se tornado algo muito especial, com suas adaptações de games e filmes e muitos projetos independentes tomando forma. Um dos meus favoritos em seus últimos anos de existência é definitivamente 'Victorian Undead', escrito por um expert em Sherlock Holmes, Ian Edginton, com artes de Davide Fabbri, e com uma premissa muito simples: Sherlock Holmes versus zumbis! Enquanto tentam controlar a invasão zumbi e desvendar o mistério de onde- e quem- fez espalhar a epidemia zumbi, Holmes e Watson tem que acima de tudo, sobreviver. teve ainda uma sequência contra ninguém menos que o Drácula, e um one-shot com Jekyll e Hyde.


1) 'Solomon Grundy'

O primeiro zumbi oficialmente falando da DC Comics (e provavelmente dos quadrinhos em geral) não poderia ficar de fora desta lista. na mini série escrita e desenhada por Scott Kollins, vemos a ultima versão da origem de Grundy antes dos Novos 52, da qual de cara já joga uma grande surpresa aos fãs ao aliar Solomon Grundy com... Cyrus Gold (!!!) em busca dos reais motivos da existência de Grundy, que faz encontrar personagens clássicos sobrenaturais da DC (como o Espectro e o Vingador Fantasma),além de outros heróis (Alan Scott, Frankenstein) e vilões (Bizarro, Hera Venenosa), sendo que no final ele se torna nada menos que um Lanterna Negro, já ligando ao personagem a 'Blackiest Night'. Uma boa leitura com muitas interações bacanas com o personagem.


Menção honrosa: The Spirit- Day of the Dead

A sensacional fase de Darwin Cooke a frente do Spirit procura responder não somente a grande pergunta de "como Danny Colt voltou a vida?" mas também apresentou uma grande "what if?" nessa nova versão da origem do personagem, questionando porque a misteriosa formula que trouxe o herói a vida não o tornou um zumbi como Alvarro Mortez, também conhecido como o vilão 'El Morte', um capanga também afetado pela mesma formula, só que ele acaba virando um zumbi, que se utiliza do voodoo para criar uma armada de zumbis e seu status como morto-vivo para matar seus rivais e aumentar suas fileiras. 'Dia de los Muertos' é o embate final do Spirit com seu maior vilão em seu primeiro ano na DC Comics.


E por hoje é só pessoal, assistam 'IZombie' nesta terça feira!


sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

5 contra 1: HQs para ler antes de 'Fantastic Four' (2015)


'Fantastic Four' vai trazer de volta o Quarteto Fantástico, a primeira e suprema família Marvel de volta as telas,. Porém, desde o começo de sua produção, ela sofreu certa... resistência por parte do publico que queria que a equipe entrasse na megalomania do sucedido universo compartilhado (e qualidade muitas vezes duvidosa) da Marvel Studios, da qual já teve quedas de braço entre o estúdio e a Fox para que Reed Richards e companhia "voltassem para casa" e que acabou num sujo boicote com as franquias da qual a Fox possui. As discussões sobre o projeto também aumentam entre o publico nerd graças junto a natureza secreta do projeto, com uma pegada mais séria e focada no sci-fi (que tem sido o segredo do sucesso da Fox com suas adaptações nos últimos anos) contra uma abordagem mais "família", também gerando atrito a um publico que parece que quer ver a mesma coisa sempre só porque a Marvel Studios se fez funcionar assim.

Mas só que algo engraçado aconteceu: o trailer do filme saiu, e calou bocas lindamente.

Não que as discussões sobre o que foi dito acima se cessaram, mas gerou um interesse e confiança maiores e melhores em relação ao projeto. Com a Fox consolidada a qualidade e o sucesso financeiro de seus X-Filmes (com o sensacional 'Days of Future Past' não só sendo o melhor filme da franquia, mas também o que tem a maior bilheteria) agora a Fox pode não somente trazer um filme digno a altura da equipe, mas também seguir e consolidar a tendencia dos últimos anos de trazer adaptações de HQs com uma pegada sci-fi como uma forma mais madura e com mais qualidade em seu storytelling (como por exemplo DOFP, Snowpiecer, Man of Steel, Edge of Tomorrow, e deixando bem claro que não vejo de maneira alguma Guardiões da Galaxia envolvido nesta lista). A lista abaixo vão ser indicações baseados naquilo que sabemos sobre o filme até então, dado por imagens, trailer e entrevistas das pessoas envolvidas na produção, além de ser uma leitura agradável de uma equipe que merece tanto nosso respeito e amor. Confira abaixo as minhas indicações:

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Filmes da Marvel Comics em 2015


Semana passada vimos as novidades da DC Comics, agora vamos ver o que o House of the Mouse vai trazer este ano para as telas. Confira mais abaixo!

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Filmes da DC Comics em 2015


[ATUALIZADO] Com o começo do ano, vem o recapitula do que vem por aí em 2015! E nada melhor do que começar em grande estilo falando do que vem por aí em longas metragens da DC Comics!

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Short Reviews: Adaptações de Quadrinhos de 2014


Olá pessoal! Desenterrando o 'Short Reviews' para falar de outras adaptações de HQs que eu vi ao longo do ano! Não são todas que eu listei anteriormente no começo do ano, mas algumas em, especial que eu vi e não resenhei por motivos de falta de tempo e/ou preguiça.

300: Rise of an Empire

Para um filme adaptado de uma HQ (parcialmente) lançada e escrita recentemente por Frank Miller, o resultado foi surpreendentemente positivo. Noam Murro conseguiu colocar seu toque no filme sem desmitificar o estilo criado por Zack Snyder, com uma história sólida e envolvente, que mostra Themistocles como o Superman em relação ao Batman representado pelo Leônidas (e com conexões podendo ser feitas facilmente com 'Man of Steel', e talvez, 'Batman V Superman'). Dentro desse quesito, é mostrado a comparação, e consequente união, de como ambos lidam com a ameaça da Invasão Persa, especialmente em um novo e interessante território como o mar. E mais um papel que coroa esse ano muito especial para Eva Green, a femme fatale definitiva de 2014.  Nota: 8.5





Edge of Tomorrow

Um filme que tem tudo para se tornar um clássico cult em breve, a bilheteria desse filme deveria ter sido muito maior perante a qualidade absoluta que ele traz. Emily Blunt como action hero é apenas sensacional, além de Tom Cruise sendo Tom Cruise em um dos melhores filmes da sua carreira sem dúvidas. Pra quem é gamer, o filme é soberbo em traduzir a linguagem dos jogos de guerra para uma narrativa cinematográfica e adapta os elementos principais do manga com sucesso, trazendo uma trama que você se empolga de acompanhar em cada desenvolvimento. Dentro do que eu vi, junto com 'Snowpiercer' e 'Days of Futures Past', são os melhores adaptações do ano. Nota: 9.0




Teenage Mutant Ninja Turtles

Apesar dos medos e receios por parte dos fãs por causa do envolvimento de Michael Bay com a produção do filme, pra mim ele conseguiu ser mais divertido, dinâmico e definitivamente superior que um outro certo filme com um animal falante, já que ele abraça a própria galhofa do conceito e procura se divertir com isso sem soar propositalmente estético ou planejado (como certos Guardiões fizeram). Apesar de não ter o roteiro mais refinado do mundo, Jonathan Liebesman lida com o que é o seu forte, que é a interação dos personagens, para fazer a história mover de maneira dinâmica além de fazer você se apaixonar novamente pelas Tartarugas. Além da Megan Fox ter feito uma surpreendente April, e o Cyber-Destruidor ter ficado mais legal que imaginava, ainda foi utilizado a mais recente origem dos personagens com respeito e bom senso. Definitivamente, a adaptação mais subestimada do ano.  Nota: 8.0



Snowpiercer

Poderia resumir apenas Snowpiercer como 'FODA PRA CARALHO' repetido ao infinito, mas ele sem sombra de dúvidas é o melhor filme desta lista. Joon-Ho Bong pega a graphic novel francesa 'Le Transperceneige' e a torna internacional afim de explorar a humanidade e a falta da mesma num futuro distópico. O trem é a sociedade, e enquanto a sociedade ficar no controle de uma só pessoa, os pobres serão sempre tratado como descartáveis enquanto os ricos ficam imóveis, em sua overdose de utopia. Enquanto avançamos nos vagões dos trens, vamos desvendando essa sociedade como se estivéssemos descascando camadas de uma cebola. E no fim, resta a questão: o que vale mais a pena salvar: o conceito de humanidade ou a humanidade em si? Não só o melhor filme de quadrinhos do ano, mas um sci-fi que já nasce clássico. Nota: 10.0



Hércules

Você tem que dar crédito ao Brett Ratner, já que esse filme supera sucessivamente sua ultima tentativa de adaptar quadrinhos. Claramente inspirado por 'Os Mercenários', vemos Hércules e sua equipe agirem como caçadores de recompensa, questionando sobre a verdade detrás das lenda. Apesar de ter sido questionado por não explorar muito o lado fantástico do personagem (e seus 12 trabalhos), acho que o conflito 'lenda vs realidade' é o grande charme do filme. The Rock consegue carregar um filme nas costas junto com uma talentosa equipe de apoio, mesmo que a ligações entre os vilões seja extremamente forçada e surgida do nada. Nota: 7.5


Cavaleiros do Zodíaco: A Lenda do Santuário

Um filme extremamente esperado por muitos, especialmente os brasileiros, ' A Lenda do Santuário' chegou cheio de expectativas e infelizmente não conseguiu atingir todas elas. A qualidade da animação é um deleite para os olhos,e eu particularmente curti as batalhas estilo 'Square Enix', a algumas modificações foram bem vindas, já outras nem tanto (o que fizeram com você, Mascara da Morte?). Mas o roteiro fraco e que compacta a saga original, perdendo exatamente aquele toque pessoal entre os personagens que fazia a jornada valer a pena, te faz curtir mais o filme pelos momentos de nostalgia do que a qualidade da obra em si. O que é uma pena. Nota: 5.5


Big Hero 6

O ultimo (e mais recente no Brasil) filme baseado em quadrinhos não necessariamente atingiu minhas expectativas como filme, mas de fato tem mais carisma mais honesto e de fato funcional do que Guardiões do Hype da Galaxia. O filme é bem focado no Hiro e Baymax (meio que excluindo uma melhor exploração dos outros membros da equipe, e de resto segue o padrão Marvel: carisma dos personagens, vilões não tão bem explorados (apesar do vilão deste filme ter sido BEM melhor que muitos mostrados pela Marvel Studios) e um roteiro bem básico pra prender seu publico. Vale o ingresso, mas não necessariamente para ver mais de uma vez. E o hype ao Baymax é totalmente válido. Nota: 7.0


É isso pessoal! até 2015!

domingo, 21 de dezembro de 2014

O Noir no Batman de Christopher Nolan - Parte 3

Escrito por Diogo Oliveira. Publicado originalmente no Batmania Rio.


Estamos chegando a penultima parte que irá explorar as influências do cinema Noir no Batman feito por Christopher Nolan! Vamos explorar agora a cidade e suas sombras, e caso ainda não tenha lido as partes anteriores, confira aqui, caso tenha feito, então confira abaixo:

domingo, 16 de novembro de 2014

Review: Guardians of the Galaxy


Após fazer um estrondoso sucesso com a Primeira Fase/Temporada de seus filmes, Marvel Studios, já consolidada como uma grande empresa, decidiu apostar em algo até então arriscado: um filme de ficção cientifica do qual introduziria uma equipe completamente desconhecida do grande publico. baseado na reinvenção dos personagens em 'Aniquilação' feita pela dupla conhecida como 'DnA' (Dan Abnett e Andy Lanning) e sua consequente revista solo. Uma aposta considerada arriscada por muitos, mas importante para o estúdio estabelecer certos elementos do qual serão importantes para a sua Terceira Fase/Temporada. Mas como o filme se saiu, e o que ele pode nos dizer sobre  como o estúdio está lidando com suas adaptações? Confira abaixo: